birra infantil 29 maio 2018

BY: admin

Psicoterapia Infantil

Comments: Nenhum comentário

Birra Infantil: Quais Os Motivos E Como Lidar

Birra Infantil: Quais Os Motivos E Como Lidar

A birra infantil costuma causar muito estresse e constrangimento na vida dos pais. Afinal, lidar com uma criança gritando e se jogando no chão no meio do shopping não é uma situação tão fácil de manejar, ainda mais sob os olhares reprovadores de quem passa.

A boa notícia é que a birra faz parte do desenvolvimento das crianças e, embora não se possa evitá-la por completo, é sim possível lidar com este tipo de comportamento de forma equilibrada, desencorajando-o. Não sabe mais o que fazer com sua criança birrenta? Acompanhe nosso artigo.

 

Birra infantil: qual a explicação para este comportamento

A birra infantil é caracterizada por uma reação aparentemente exagerada da criança, que pode incluir choro descontrolado, gritos, jogar-se no chão e espernear. Em geral esse tipo de comportamento surge por volta de um ano e seis meses, intensifica-se aos dois anos e vai desaparecendo a partir dos seis anos de idade.

Entretanto, dependendo da forma como os pais lidam com tal comportamento, ele pode permanecer pelo resto da vida.

Diferente do que muitos pensam, a birra não é só “coisa de crianças mal educadas ou mimadas”. De acordo com neuropediatras e psicólogos infantis, trata-se de uma fase natural do desenvolvimento dos pequenos.

Fazer birra nada mais é do que uma forma da criança expressar seus desejos, já que ela ainda não desenvolveu adequadamente sua comunicação verbal e capacidade de argumentação.

Por exemplo, quando uma criança faz birra no shopping porque quer um brinquedo ou lanchar no fast-food, essa é sua forma de “argumentar” diante da negativa dos pais.

 

A birra e o desenvolvimento cerebral das crianças

O comportamento infantil conhecido como birra está diretamente ligado ao desenvolvimento cerebral dos seres humanos.

A parte do cérebro denominada neocórtex, responsável por habilidades como resolução de problemas e pensamento analítico, ainda não está plenamente formada nas crianças.

Conforme explicou em matéria publicada na revista Superinteressante o neuropediatra Mauro Muszkat, da Universidade Federal de São Paulo, devido à falta de conexões neuronais nos primeiros quatro anos de vida, a atividade cerebral mais intensa nas crianças ocorre em partes inferiores, mais antigas e pouco alteradas pela evolução.

Essas áreas do cérebro são responsáveis pelas reações instintivas de ataque e defesa, sentido de autopreservação, assim como pelas emoções fortes como o medo da separação e a raiva.

É fundamental ter em mente essa questão neurológica para entender que nos momentos de birra a criança não age de forma racional. Nessa hora, cabe aos pais agir com racionalidade.

 

Como lidar com as birras

Entendendo a birra como uma forma de comunicação de necessidades, o papel dos pais é demonstrar aos filhos que esse não é o jeito mais adequado de se expressar. E como se faz isso? Em primeiro lugar, jamais se deve fazer a vontade da criança somente para que ela pare com a birra. Caso isso ocorra, o comportamento se intensificará.

Também é fundamental manter a calma, já que o descontrole do pai ou mãe já é um sinal de que a birra está surtindo efeito. Uma atitude que pode fazer toda a diferente é olhar nos olhos da criança e falar calmamente: desse jeito eu não estou te entendendo, enquanto você ficar assim, não posso te ajudar, quando você se acalmar, a gente conversa.

Quando a criança se acalmar, é importante demonstrar aprovação e confortá-la fisicamente, com um abraço, por exemplo. Em algumas situações a criança não conseguirá se controlar, mesmo diante da postura serena do responsável. A solução nesses casos é interromper a atividade em questão ou sair daquele ambiente.

Embora a birra e a desobediência façam parte do desenvolvimento infantil, os pais devem ficar atentos para que o problema não extrapole os limites saudáveis. Quando as birras são muito frequentes e a criança demonstra agressividade exagerada, existe a possibilidade de que se esteja diante de um caso de transtorno opositivo desafiador (TOD).

Por outro lado, a forma como os responsáveis lidam com a birra infantil é um ponto chave para que esse tipo de comportamento diminua naturalmente conforme a criança cresce ou, se torne um adulto birrento.

Para aprender como lidar da melhor forma com as birras do seu filho e saber se é só uma fase mesmo, o melhor a fazer é buscar aconselhamento com um psicólogo infantil.

Esse artigo tem caráter informativo, se você se identificou com qualquer sintoma busque ajuda profissional, consulte um psicólogo infantil em Bragança Paulista no Instituto Integrado de Psicologia.

IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança.

Fone: 11 2277-4283 ou whatsapp: 971438628

Psicólogos em Bragança Paulista e região. – Atendimento infantil, adolescente e adulto.

www.iipb.com.br

19 maio 2018

BY: admin

TDAH / Transtornos e Patologias em geral

Comments: Nenhum comentário

TDAH: Qual O Melhor Tratamento?

TDAH: Qual O Melhor Tratamento?

O TDAH (Transtorno Do Déficit De Atenção E Hiperatividade) pode ser definido como um transtorno que se manifesta como um padrão persistente de déficit de atenção, distração, hiperatividade, impulsividade, esquecimento, desorganização em dois ou mais ambientes e que seja desproporcional a outras pessoas semelhantes da mesma idade.
Seus principais sintomas incluem pouca atenção para atividades rotineiras, problemas com a organização espaço/tempo e dificuldade em seguir processos, o que acaba resultando em procrastinação.

Nesse artigo discutimos qual o melhor tratamento para o TDAH, lembrando que é importante um diagnóstico preciso feito por profissionais qualificados para que outros transtornos e sintomas não sejam confundidos com o diagnóstico de TDAH.

Qual o melhor tratamento para TDAH?

Atualmente, boa parte dos especialistas aponta o tratamento multimodal, também chamado de tratamento integral.
É importante deixar claro que o Transtorno de Déficit de Atenção não é uma “doença” propriamente dita e sim uma condição que precisa de acompanhamento regular contínuo, por isso não se pode falar em “cura” para o transtorno.
O tratamento multimodal do TDAH inclui cuidados com a alimentação, uso de medicação (quando necessário), medidas sócio pedagógicas e tratamento psicológico.

TDAH: cuidados com a alimentação

Os cuidados com a alimentação para quem tem TDAH incluem consumir preferencialmente proteínas (carnes em geral, ovos e peixe) e carboidratos complexos (grãos integrais, batata-doce, sementes etc.). Já os carboidratos refinados, como alimentos à base de farinha branca e que contenham açúcar refinado, devem ser evitados.
Os carboidratos simples provocam alterações bruscas nos níveis de glicose no sangue, o que por sua vez causa mudanças repentinas no funcionamento cerebral que pioram os sintomas do TDAH.

Tratamento farmacológico do TDAH

O tratamento medicamentoso para TDAH emprega diferentes tipos de fármacos, em especial os denominados estimulantes (que na verdade produzem efeito calmante nos portadores do transtorno). Os medicamentos são usados para reduzir a hiperatividade e a impulsividade, assim como para melhorar a capacidade de concentração e o desempenho cognitivo. Embora tais medicamentos sejam seguros, desde que usados sob prescrição e acompanhamento médico, alguns efeitos colaterais são comuns. Redução do apetite e alterações do sono são algumas das queixas mais frequentes relacionadas ao tratamento com medicamentos para TDAH.

Tratamento sócio pedagógico para portadores de TDAH

Quando se fala em medidas sócio pedagógicas para portadores de TDAH, a parceria família/escola é fundamental.
Cabe à família manter o diálogo com a equipe pedagógica, servindo inclusive como mediadora entre a escola e os demais profissionais envolvidos no tratamento da criança ou adolescente portador de TDAH.
A escola, por sua vez, precisa se integrar ao processo terapêutico desses alunos, elaborando estratégias que facilitem e melhorem a absorção de conteúdos e desempenho nas avaliações.

Psicoterapia para TDAH

A psicoterapia para pessoas que possuem TDAH tem como princípios fundamentais auxiliar o paciente a desenvolver novos padrões comportamentais, de pensamento e motivacionais, para gerar no indivíduo mais autonomia, qualidade de vida e satisfação.
A psicoterapia para TDAH aborda questões práticas como organização, planejamento, uso do tempo e definição de prioridades. Aspectos de ordem emocional, como falta de confiança nas próprias habilidades, baixa autoestima, frustração exacerbada e, em alguns casos, irritabilidade e agressividade acentuada.

O Transtorno de Déficit de Atenção precisa de tratamento para que seus portadores possam se desenvolver integralmente e desfrutar de uma boa qualidade de vida.
Como vimos, hoje existe concordância entre os profissionais de diferentes áreas de que o melhor tratamento para o TDAH consiste na combinação de cuidados com a alimentação, somente o uso de medicamentos não irá fazer efeito sozinho, uma vez que o TDAH não tem sua causa somente orgânica, mas também no comportamento, personalidade de cada pessoa, são necessárias medidas sócio pedagógicas e psicoterapia para que o tratamento seja bem sucedido.

Esse artigo tem caráter informativo, se você se identificou com qualquer sintoma busque ajuda profissional, consulte um psicólogo em Bragança Paulista no Instituto Integrado de Psicologia.

IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança.

Fone: 11 2277-4283 ou whatsapp: 971438628

Psicólogo em Bragança Paulista e região. – Atendimento infantil, adolescente e adulto.

www.iipb.com.br

nao-consigo-fazer-dieta 16 abr 2018

BY: admin

Ansiedade / Nutrição / Transtornos e Patologias em geral

Comments: Nenhum comentário

Não Consigo Fazer Dieta: Por Quê?

Não Consigo Fazer Dieta: Por Quê?

“Não consigo fazer dieta!”; você já parou para pensar no que existe por trás dessa queixa tão comum? Realmente, à principio a coisa parece bem simples: basta montar o cardápio da semana, refeição por refeição…e seguir.

Porém, na prática tudo é diferente. Você toma o suco detox no café da manhã e fica morrendo de fome, suspirando por um pão francês com manteiga. No almoço, aquele prato colorido de salada na entrada parece mais uma burocracia a cumprir do que algo para matar a fome.

Então, no segundo ou terceiro dia você chuta o balde e ataca com voracidade uma barra de chocolate (ao leite, claro) inteira, uma porção de batata frita e o que mais surgir pela frente.

Daí bate a culpa e vem de novo a pergunta: Por que não consigo fazer dieta? Confira a seguir algumas explicações do que pode estar por trás dessa sua dificuldade.

 

Por que não consigo fazer dieta: conheça algumas explicações para o problema

Analisando de um ponto de racional, não deveria ser tão difícil fazer dieta. Afinal, queremos emagrecer para ter um corpo mais bonito, poder usar roupas de praia sem constrangimento e inclusive para ter uma vida mais saudável, já que o sobrepeso e a obesidade contribuem para o desenvolvimento de várias doenças.

Entretanto, a dieta é uma daquelas coisas fáceis de planejar e difíceis de executar. São raros os casos de pessoas que têm sucesso na primeira tentativa. Essa grande dificuldade para seguir uma dieta pode ter 3 explicações principais: expectativas irreais, fome emocional e encarar o emagrecimento como algo passageiro.

 

Por que não consigo fazer dieta: cuidado com as expectativas irreais

Aqui temos aquele caso clássico da pessoa que deseja “perder 15 quilos até o verão”. O detalhe é que ela começa a dieta no fim de novembro. Traçar metas pouco realistas só contribui para aumentar a ansiedade, o que por sua vez torna ainda mais difícil seguir um plano alimentar.

Perder muito peso em pouquíssimo tempo não é saudável, pois em geral implica seguir dietas muito restritivas, que privam o organismo de nutrientes essenciais e podem acentuar a perda de massa muscular, além de serem um gatilho para a fome compulsiva.

Portanto, tenha objetivos factíveis ao entrar numa dieta, lembrando que a perda de peso deve ser mantida a longo prazo e a pressa pode colocar tudo a perder.

 

A fome emocional e a dificuldade para fazer dieta

fome emocional

Fome emocional é quando usamos a comida como meio de fuga, alegria e conforto. É um comportamento que visa evitar emoções dolorosas através da ingestão de alimentos ricos em gorduras e carboidratos refinados, como doces, salgadinhos, batatas fritas, refrigerantes etc.

E quando a comida, especialmente a comida que devemos evitar para perder peso, serve para amenizar nossos conflitos e dificuldades emocionais, não há argumento racional que consiga nos manter firme na dieta.

Nesses casos, a psicoterapia pode ser de grande ajuda para que a pessoa consiga transformar sua relação com a comida e entender os mecanismos que geram a fome emocional.

 

Insistir em dietas em vez de apostar na reeducação alimentar é um erro

Pensar na dieta como “sacrifício temporário” para emagrecer é um grande erro, ao menos para quem pensa em manter-se em forma para o resto da vida.

Por isso, o conceito de “dieta” ou “regime” cada vez mais vem sendo abandonado e substituído pela ideia de reeducação alimentar.

Fazer uma reeducação alimentar tem a ver com um novo estilo de vida, onde a comida é vista como fonte de nutrição para o corpo e satisfação, mas sem servir como muleta para questões emocionais mal resolvidas.

Não se trata de contar calorias e sim escolher os alimentos que trazem mais benefícios ao corpo, em porções adequadas.

Talvez essa seja uma boa resposta para a pergunta: por que não consigo fazer dieta?

Porque dietas não funcionam, é preciso adotar uma nova forma de comer que possa ser mantida ao longo do tempo.

Como vimos, não conseguir fazer dieta é um problema para muitas pessoas que estão insatisfeitas com o próprio corpo. Entre os motivos que explicam essa grande dificuldade, encontramos as expectativas irreais, a fome emocional e os problemas inerentes às dietas, que devem ser substituídas pelo conceito de reeducação alimentar.

Nem sempre é fácil identificar as questões emocionais que estão por trás da dificuldade em emagrecer, por isso é importante buscar ajuda psicológica especializada para superá-la de uma vez por todas.

Esse artigo tem caráter informativo, se você se identificou com qualquer sintoma busque ajuda profissional, consulte um psicólogo em Bragança Paulista.

IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança.

Fone: 11 2277-4283 ou whatsapp: 971438628

Psicólogo em Bragança Paulista e região. – Atendimento infantil, adolescente e adulto.

www.iipb.com.br

 

 

 

 

Por Que Escolho Pessoas Que Sempre Me Fazem Sofrer 09 abr 2018

BY: admin

Relacionamentos / Transtornos e Patologias em geral

Comments: Nenhum comentário

Por Que Escolho Pessoas Que Sempre Me Fazem Sofrer?

Por Que Escolho Pessoas Que Sempre Me Fazem Sofrer?

É impressionante como certas pessoas parecem não ter “sorte” na escolha de seus parceiros. Tudo começa bem, uma relação cheia de amor e alegria, até que os primeiros problemas começam a aparecer e um filme parece se repetir.

Ciúmes em excesso, traições ou até mesmo agressões físicas passam a fazer parte da relação, que deixa de ser fonte de satisfação pessoal para se tornar uma espécie de castigo ou prisão.

Daí vem o questionamento: por que sempre escolho pessoas que me fazem sofrer? Embora essa não seja uma pergunta tão fácil de ser respondida, já que as razões variam de pessoa a pessoa, nesse artigo apontaremos algumas questões centrais que podem estar por trás de um padrão repetitivo negativo nos relacionamentos amorosos.

 

O que está por trás do padrão negativo que se repete nos relacionamentos

//iipb.com.br/wp-content/uploads/2018/04/relacionamento-abusivo

O ponto de partida para entender o porquê de alguém escolher repetidamente pessoas que lhe fazem sofrer é perceber que essa “escolha” não é puramente racional.

Boa parte da dinâmica das motivações e desejos que nos impulsam a preferir alguém em especial constitui-se de processos inconscientes, ou seja, que não dependem de decisões racionais.

As conexões que levam uma pessoa a se sentir magneticamente atraída por outra partem de sua própria estrutura psicológica e experiências de vida.

Inclusive, o relacionamento existente entre os pais, assim como a forma como a criança se relacionava com ambos, influi diretamente sobre o tipo de relações afetivas que serão estabelecidos na idade adulta.

Por isso, em muitos casos, a pessoa acaba reproduzindo em suas relações os conflitos afetivos vivenciados durante sua infância. Por exemplo, um indivíduo que teve um pai frio e ausente, acaba atraindo parceiros emocionalmente distantes na vida adulta, reproduzindo o papel que a mãe desempenhava na relação ou vice-versa.

 

Sintomas de um relacionamento tóxico

É possível identificar sinais de uma relação baseada em padrões negativos desde o início. Os sintomas de um relacionamento tóxico incluem:

  • Sentir que é preciso mudar o próprio jeito de ser para agradar ao outro.
  • Críticas e irritações frequentes, ainda que disfarçadas de brincadeiras.
  • Obsessão em saber o que se passa na vida do outro.
  • As decisões importantes cabem somente ao parceiro.
  • Falta de tempo para cuidar de questões pessoais em função do relacionamento amoroso.
  • Sentir-se responsável pela felicidade e equilíbrio emocional do outro.
  • Ser controlado pelo parceiro na vida social, financeira e familiar.
  • Enfurecer-se com críticas ao parceiro e ao relacionamento vindas de amigos e familiares.

 

Como deixar de escolher relacionamentos prejudiciais

A conscientização sobre os sintomas de uma relação tóxica nem sempre é suficiente para que uma pessoa abandone um padrão negativo em seus relacionamentos amorosos.

Escolher sempre parceiros que trazem sofrimento pode estar relacionado com crenças profundas e “cristalizadas” que precisam de ajuda profissional para serem identificadas e desconstruídas.

Logo, quem sofre com o padrão repetitivo de relacionamentos tóxicos tem muito a ganhar ao consultar um psicólogo e iniciar a psicoterapia para conseguir construir relacionamentos mais saudáveis consigo mesmo e com os demais.

Ninguém precisa ser escravo do passado nem do inconsciente, pelo contrário, todos têm direito a uma vida com mais alegria e satisfação, incluindo a esfera das relações amorosas.

Algumas pessoas não entendem porque sempre escolhem pessoas que as fazem sofrer. Como vimos nesse artigo, ao escolhermos um parceiro para iniciar um relacionamento amoroso, somos influenciados por fatores internos inconscientes que podem manter o padrão de relações prejudiciais.

É importante estar atento aos sinais que uma relação tóxica apresenta desde o início para não se manter no ciclo do sofrimento.

E como o padrão de relacionamentos prejudiciais pode ser muito difícil de alterar, por estar profundamente enraizado na estrutura psíquica do indivíduo, a terapia é um excelente caminho para construir relacionamentos mais saudáveis.

Esse artigo tem caráter informativo, se você se identificou com qualquer sintoma busque ajuda profissional, consulte um psicólogo em Bragança Paulista.

IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança.

Fone: 11 2277-4283 ou whatsapp: 971438628

Psicólogo em Bragança Paulista e região. – Atendimento infantil, adolescente e adulto.

www.iipb.com.br

 

birra infantil como lidar 29 mar 2018

BY: admin

Psicoterapia Infantil

Comments: Nenhum comentário

Birra Infantil: Quais os motivos e como lidar

Birra Infantil: Quais os motivos e como lidar

A birra infantil costuma causar muito estresse e constrangimento na vida dos pais. Afinal, lidar com uma criança gritando e se jogando no chão no meio do shopping não é uma situação tão fácil de manejar, ainda mais sob os olhares reprovadores de quem passa.

boa notícia é que a birra faz parte do desenvolvimento das crianças e, embora não se possa evitá-la por completo, é sim possível lidar com este tipo de comportamento de forma equilibrada, desencorajando-o. Não sabe mais o que fazer com sua criança birrenta? Acompanhe nosso artigo.

Birra infantil post iipb

Birra infantil: qual a explicação para este comportamento?

A birra infantil é caracterizada por uma reação aparentemente exagerada da criança, que pode incluir choro descontrolado, gritos, jogar-se no chão e espernear. Em geral esse tipo de comportamento surge por volta de um ano e seis meses, intensifica-se aos dois anos e vai desaparecendo a partir dos seis anos de idade.

Entretanto, dependendo da forma como os pais lidam com tal comportamento, ele pode permanecer pelo resto da vida.

Diferente do que muitos pensam, a birra não é só “coisa de crianças mal educadas ou mimadas”. De acordo com neuropediatras e psicólogos infantis, trata-se de uma fase natural do desenvolvimento dos pequenos.

Fazer birra nada mais é do que uma forma da criança expressar seus desejos, já que ela ainda não desenvolveu adequadamente sua comunicação verbal e capacidade de argumentação.

Por exemplo, quando uma criança faz birra no shopping porque quer um brinquedo ou lanchar no fast-food, essa é sua forma de “argumentar” diante da negativa dos pais.

A birra e o desenvolvimento cerebral das crianças

O comportamento infantil conhecido como birra está diretamente ligado ao desenvolvimento cerebral dos seres humanos.

A parte do cérebro denominada neocórtex, responsável por habilidades como resolução de problemas e pensamento analítico, ainda não está plenamente formada nas crianças.

Conforme explica o neuropediatra Mauro Muszkat, da Universidade Federal de São Paulo, devido à falta de conexões neuronais nos primeiros quatro anos de vida, a atividade cerebral mais intensa nas crianças ocorre em partes inferiores, mais antigas e pouco alteradas pela evolução.

Essas áreas do cérebro são responsáveis pelas reações instintivas de ataque e defesa, sentido de autopreservação, assim como pelas emoções fortes como o medo da separação e a raiva.

É fundamental ter em mente essa questão neurológica para entender que nos momentos de birra a criança não age de forma racional. Nessa hora, cabe aos pais agir com racionalidade.
criança fazendo birra infantil imagem iipb

Como lidar com as birras

Entendendo a birra como uma forma de comunicação de necessidades, o papel dos pais é demonstrar aos filhos que esse não é o jeito mais adequado de se expressar. E como se faz isso? Em primeiro lugar, jamais se deve fazer a vontade da criança somente para que ela pare com a bira. Caso isso ocorra, o comportamento se intensificará.

Também é fundamental manter a calma, já que o descontrole do pai ou mãe já é um sinal de que a birra está surtindo efeito. Uma atitude que pode fazer toda a diferente é olhar nos olhos da criança e falar calmamente: desse jeito eu não estou te entendendo, enquanto você ficar assim, não posso te ajudar, quando você se acalmar, a gente conversa.

Quando a criança se acalmar, é importante demonstrar aprovação e confortá-la fisicamente, com um abraço, por exemplo. Em algumas situações a criança não conseguirá se controlar, mesmo diante da postura serena do responsável. A solução nesses casos é interromper a atividade em questão ou sair daquele ambiente.

Embora a birra e a desobediência façam parte do desenvolvimento infantil, os pais devem ficar atentos para que o problema não extrapole os limites saudáveis. Quando as birras são muito frequentes e a criança demonstra agressividade exagerada, existe a possibilidade de que se esteja diante de um caso de transtorno opositivo desafiador (TOD).

Por outro lado, a forma como os responsáveis lidam com a birra infantil é um ponto chave para que esse tipo de comportamento diminua naturalmente conforme a criança cresce ou, se torne um adulto birrento.

Para aprender como lidar da melhor forma com as birras do seu filho e saber se é só uma fase mesmo.
Se você tem dúvidas se seu filho se comporta de forma natural nessas situação, entre em contato conosco e agende  um horário com um Psicólogo Infantil em Bragança Paulista.

IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança.
Fone: 11 2277-4283 \ 9 7143.8628[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

coaching emagrecimento 2 jpg 09 mar 2018

BY: admin

Nutrição

Comments: Nenhum comentário

Coaching Nutricional ou Coaching de Emagrecimento

Coaching Nutricional ou Coaching de Emagrecimento

Saiba tudo sobre o coaching nutricional ou coaching de emagrecimento:

Perder peso é um grande desafio para muitas pessoas, por isso muitas delas buscam ajuda profissional de um nutricionista para ser um guia e um facilitador em um processo de emagrecimento saudável, mas emagrecer está longe de ser somente uma questão nutricional.

O alimento é nossa primeira relação com o mundo externo, é através do leite materno que obtemos tudo aquilo que precisamos ao nascer, a partir daí podemos nos dar conta de que comer não é somente nos alimentar fisicamente, mas também nos alimenta emocionalmente, preenche algo que não sabemos muito bem o que é.

O coaching nutricional é um nutricionista com formação em coaching, que usa não somente aquele tradicional cardápio e pede para que você siga uma dieta, ele também irá utilizar de técnicas de coaching e neurocoaching para proporcionar mudanças de pensamentos e comportamentos.

Quando falamos em relação à alimentos temos diversas informações disponíveis e a grande maioria das pessoas sabe exatamente o que deveria fazer para ter uma vida mais saudável, porém existem barreiras em nossa mente que parecem não nos permitir chegar até nossos objetivos, por isso é necessário reprogramar o cérebro para que possamos adotar um novo estilo de vida.

O coaching de emagrecimento ou coaching nutricional irá fazer uma investigação completa de sua relação com a comida, seus comportamentos sabotadores, seus gatilhos alimentares e irá acompanhar passo a passo de seu processo elaborando estratégias que vão muito além das questões nutricionais.

Diferentemente da nutrição comum, no processo de coaching nutricional o cliente é ativo, não apenas escuta o que o coaching tem a dizer, é ele quem irá buscar seus fatores motivadores, suas fraquezas, suas forças, prioridades e a partir daí é ele quem terá o processo de decisão em suas mãos.

Durante o processo de coaching diversos conteúdos psíquicos podem surgir, porque afinal nossa relação com a comida diz mais sobre nosso estado emocional do que sobre nosso estado físico, por isso pode ser importante o acompanhamento com um psicólogo que irá dar conta das demandas psíquicas do cliente.

No Instituto Integrado de Psicologia oferecemos o serviço completo de coaching nutricional em Bragança Paulista, além de grupos integrados de emagrecimento com acompanhamento de psicólogo e nutricionista.

Agende uma avaliação de coaching nutricional:

Telefone: 11 22774283 ou 11 97143 8628.

Endereço: Av. Dr. Tancredo das Neves, 183 – Jardim Santa Rita de Cassia, Bragança Paulista – SP

www.iipb.com.br

 

 

atendimento psicologico social blog 15 jan 2018

BY: admin

Atendimento Psicológico Social

Comments: Nenhum comentário

Atendimento Psicológico Social em Bragança Paulista

Atendimento Psicológico Social em Bragança Paulista

O Instituto Integrado de Psicologia está oferecendo atendimento psicológico social de qualidade para crianças, adolescentes e adultos com valor reduzido de consulta. O atendimento é destinado a pessoas de baixa renda que não possuem condições econômicas de arcar com o valor total de consulta.

atendimento psicologico socialVisando atender a demanda da população em Bragança Paulista que tem dificuldades em encontrar atendimento psicológico de qualidade em órgãos públicos, o Instituto de Psicologia Bragança está disponibilizando 10 vagas no total, destinadas ao público infantil, infanto juvenil e adulto de baixa renda.

O agendamento será feito via telefone ou whatsapp e na primeira consulta será feita uma avaliação inicial com o paciente para definir o caminho do processo terapêutico.

É importante lembrar que o atendimento psicológico não se resume a apenas uma consulta, é um processo psicoterapêutico que necessita comprometimento do paciente e quando se trata de crianças, comprometimento dos familiares.

As vagas para atendimento social estão abertas a partir de 15 de janeiro de 2018 e são limitadas, portanto se você busca apoio psicológico para você ou algum familiar mas não tem condições de arcar com os custos integrais do tratamento ligue e agende um horário.

IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança – Psicólogo Bragança Paulista

Fone: 22774283 ou 971438628
Avenida Doutor Tancredo das Neves, 183 – Jardim Santa Rita de Cassia, Bragança Paulista – SP, 12914-160

o que é ansiedade, causas ansiedade IIPB 02 jan 2018

BY: admin

Ansiedade

Comments: 6 Comentários

O que é ansiedade, quais são suas causas, sintomas e como tratar.

O que é ansiedade?

A ansiedade é considerada um dos males do século, muitas pessoas sofrem desse mal em diversas partes do mundo. A Organização Mundial de Saúde estima que 33% da população mundial sofra de ansiedade e no Brasil a taxa é a mais alta do mundo, estima-se que 9,3% dos brasileiros sofram com ansiedade. Mas afinal, o que é ansiedade?

A ansiedade não é algo novo, mas com certeza foi sendo piorada ao longo do tempo por diversos fatores culturais e econômicos. Pode-se caracterizar a ansiedade como uma preocupação excessiva, com o futuro, seja ele o futuro imediato (algumas horas) ou futuro distante (alguns anos), essa preocupação demasiada traz outros sentimentos que acompanham a ansiedade, o medo, a tensão, o pânico.

o que é ansiedade post iipb

 

Porém a ela ocorre de diversas maneiras e em intensidades diferentes, veja alguns exemplos dos tipos de ansiedades mais comuns:

  • Ansiedade benéfica: Esse tipo de ansiedade é considerada positiva e necessária para o dia a dia, ela move a pessoa a “ir para a vida” trabalhar, estudar, conquistar seus objetivos e produzir, sem esse tipo de ansiedade por fazer, a pessoa fica parada, estagnada, sem vontade de realizar até mesmo as mais simples tarefas do dia a dia. Não proporciona nenhum tipo de sofrimento nem promove sintomas físicos, por isso, é considerada benéfica.
  • Ansiedade Mediana: Atinge uma grande parte da população, traz sintomas físicos e psíquicos como leve irritabilidade, falta de concentração, dificuldade para dormir, se manifesta na psique de forma que prejudica o funcionamento saudável do individuo, trazendo tensão, medo, preocupação com situações que muitas vezes nem acontecem, mas já estão acontecendo na mente da pessoa.
  • Ansiedade Grave ou generalizada: Mais conhecido como (TAG), transtorno de ansiedade generalizada, esse tipo de ansiedade desencadeiam sintomas físicos e psíquicos que incapacitam o sujeito de trabalhar, sair de casa, de ter vida social em geral e fazer coisas rotineiras. Esse tipo de ansiedade é caracterizada pela preocupação extremamente desproporcional com situações normais e cotidianas e é acompanhada de 2 ou mais sintomas como inquietação, fadiga, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular e perturbação do sono e tende a durar mais de 6 meses.

Sintomas da Ansiedade

A ansiedade pode gerar sintomas psíquicos e físicos diversos, dependendo de cada pessoa mas os mais comuns sintomas da ansiedade são:

Sintomas Psíquicos da ansiedade

  • Medos irracionais
  • Preocupação Exagerada
  • Perfeccionismo
  • Inquietação
  • Visão Irreal dos problemas

Sintomas Físicos da ansiedade

  • Surgimento de tremores ou espasmos
  • Cansar-se com facilidade
  • Dificuldade de concentração;
  • Gastrite, dores de estômago e náuseas.
  • Tensão muscular;
  • Distúrbios do sono (dificuldade de iniciar ou manter o sono e sensação sono não satisfatório)
  • Dores de cabeça
  • Sudorese

Esses sintomas precisam permanecer na maioria dos dias em torno de 6 meses para um possível diagnóstico de TAG, ainda assim é necessária uma avaliação profissional uma vez que a mesma pode estar associada a diversas outras doenças e transtornos mentais.

Causas da Ansiedade

As causas da ansiedade não são bem definidas, estão extremamente ligadas as história de vida de cada pessoa e a forma com que ela se relaciona com o mundo. Ainda assim existem fatores genéticos, a probabilidade aumenta se você tem pessoas na família que sofrem de ansiedade crônica. Existe o fator mais importante que é o fator ambiental, a maneira como vivemos e a maneira como nossa psique encara um mundo ansioso, tão veloz e com tantas informações que ainda não somos capazes de absorver por completo, o que parece produzir um sentimento de ansiedade existencial.

Tratamento para Ansiedade

O melhor tratamento para ansiedade é a psicoterapia, é necessário saber exatamente de onde vem esse sentimento tão complexo e tão perturbador para então poder falar sobre ele, falar sobre os medos, as aflições, as preocupações e poder aliviar os sintomas para a partir disso aprender a controlar quando eles estiverem prestes a tomar conta da psique novamente. Paralelo ao tratamento psicoterapêutico é importante recorrer a técnicas de respiração, meditação, ioga e exercícios que auxiliem no esvaziamento dessa psique tão cheia de tantos pensamentos e controlem a tensão muscular. O tratamento com medicamentos também é recomendado para casos graves onde a pessoa está incapacitada até mesmo de sair de casa.

tratamento para ansiedade IIPB

Como lidar com a ansiedade?

Existem diversas técnicas e exercícios que podem auxiliar a controlar ansiedade e aprender a lidar melhor com ela no dia dia.

  1. Pratique exercícios físicos – Durante a pratica de exercícios nosso corpo libera uma série de substâncias como serotonina e dopamina que regulam o humor, o apetite, a frequência cardíaca, o sono, entre outros, e nos ajudam a manter nosso corpo e mente em equilíbrio.
  2. Turbine sua alimentação com Triptofano – O triptofano é uma substância que regula o humor e proporciona maior sensação de bem estar, pois auxilia na construção da serotonina. Investir em alimentos ricos em proteína e triptofano é excelente, alguns exemplos são: banana, carnes, peixes, ovos, queijo, amendoim, amêndoa, ervilha, abacate.
  3. Alivie a tensão muscular – É preciso dar mais atenção ao corpo, algumas terapias complementares como acupuntura, massagens, musicoterapia, shiatsu, reiki, calatonia, auxiliam no alivio da tensão corporal e no equilíbrio corpo-mente, aliviando o stress diário.
  4. Invista nos chás – Nossos ancestrais usavam os chás como medicamentos poderosos e não é a toa, a maioria dos medicamentos que hoje usamos vieram de plantas medicinais. Chás como o de camomila, lavanda, alecrim, melissa, cridreira, maracujá, são calmantes e podem auxiliar no alivio da inquietação provocada pela ansiedade.
  5. Organize-se – Ser organizado externamente auxilia na organização interna de nossa psique. Viver em um ambiente mais organizado também, assim como ter uma agenda e anotar todos os compromissos e afazeres que estão em sua mente, é como tirá-los de você e colocar em um papel, sabendo que você não irá esquecer e reduzir com isso a preocupação com os acontecimentos futuros.
  6. Encontre um Hobby – Ter uma atividade prazerosa é um dos fatores mais importantes na vida de uma pessoa, descobrir o que gosta e colocar em prática é essencial para ter bons momentos e sentir mais prazer na vida. Seja jogar futebol com os amigos, fazer aulas de pintura, tocar um instrumento, fazer um curso de culinária ou até mesmo jardinagem. Invista em você, procure algo que te tire da rotina cansativa e te leve para outras possibilidades.
  7. Autoconhecimento – Sem o auto conhecimento a vida fica mais difícil, procure se conhecer, invista em psicoterapia, em momentos com o silêncio, aumente sua percepção sobre você mesmo. Auto conhecimento é libertador.

 

Esse texto tem caráter informativo, se você se identificou com qualquer sintoma procure um psicólogo.
IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança –
 Psicologo em Bragança Paulista, Atibaia e região.

 

 

Diagnóstico autismo Bragança Paulista . 11 dez 2017

BY: admin

Avaliação Psicológica / Transtornos e Patologias em geral

Comments: Nenhum comentário

Autismo – Como diagnosticar e tratar?

AUTISMO E TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA

Diversas pesquisas são feitas para definir o autismo e os transtornos do espectro autista, no entanto existem algumas características que apontam para o diagnóstico de autismo, como o déficit observável na comunicação e interação social, alguns comportamentos repetitivos e áreas de interesse restritas. Essas características já estão presentes em crianças antes dos 3 anos de idade e representam uma parcela de 0.6% da população, mas esse número vem aumentando significativamente, sendo que o autismo é 4 vezes mais comum em meninos do que em meninas.

A nomenclatura autismo hoje foi revisada e muito se fala em transtornos do espectro autista, isso porque ele se dá de diversas maneiras e variam de acordo com o desenvolvimento cognitivo da criança. Em alguns casos há perda intelectual grave, não desenvolvimento da linguagem, deficit significativo na interação social e padrões simples de repetição, por outro lado existem casos como na Síndrome de Asperger, que faz parte dos transtornos do espectro autista, onde não há a perda intelectual nem perda significativa de linguagem mas há uma dificuldade de interação social que muitas vezes pode ser considerada estranha e peculiar.

diagnóstico autismo Bragança PaulistaDIAGNÓSTICO DE AUTISMO

O diagnóstico de autismo é clínico, feito por equipe com psicólogos e neurologistas com observação do comportamento da criança, entrevista com os pais e em etapa posterior a aplicação de testes específicos. Ainda não há um exame único que faça esse diagnóstico, mas sim o conjunto da análise clínica do profissional e de testes neuropsicológicos como o SON-R 2 ½ – 7, um teste não verbal de inteligência que é usado com crianças em casos de suspeita de transtornos do espectro autista, e que pode auxiliar no diagnóstico mais preciso, assim como as Escalas Wechsler e Matrizes Progressivas Coloridas de Raven.

A maior dificuldade no diagnóstico clínico está na variabilidade das características das crianças com TEA, por isso são necessárias diversas sessões de observação do comportamento da criança antes da aplicação dos testes para que os testes possuam a validade e sejam aplicados da forma correta de acordo com a limitação de cada criança. Por isso é necessário que o profissional tenha experiência clínica com autismo, não é qualquer profissional que tem a capacidade de elaborar um diagnóstico de TEA.

TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E SEUS DIFERENTES NÍVEIS.

Atualmente o TEA é dividido em graus e sua gravidade é baseada na tabela abaixo:

NÍVEL DE GRAVIDADE COMUNICAÇÃO SOCIAL COMPORTAMENTOS REPETITIVOS E RESTRITOS
Nível 3

“exigindo apoio muito substancial”

Déficits graves nas habilidades de comunicação social verbal e não verbal causam prejuízos graves de funcionamento, limitação em iniciar interações sociais e resposta mínima a aberturas sociais que partem de outros. Inflexibilidade de comportamento, extrema dificuldade em lidar com a mudança ou outros comportamentos restritos/repetitivos interferem acentuadamente no funcionamento em todas as esferas. Grande sofrimento/dificuldade para mudar o foco ou as ações.
Nível 2

“exigindo apoio substancial”

Déficits graves nas habilidades de comunicação social verbal e não verbal, prejuízos sociais aparentes mesmo na presença de apoio, limitação em dar inicio a interações sociais e resposta reduzida ou anormal a aberturas sociais que partem dos outros. Inflexibilidade do comportamento, dificuldade de lidar coma mudança ou outros comportamentos restritos/repetitivos aparecem com frequência suficiente para serem óbvios ao observador casual e interferem no funcionamento em uma variedade de contextos. Sofrimento/dificuldade para mudar o foco ou as ações.
Nível 1

“Exigindo apoio”

Na ausência de apoio, déficits na comunicação social causam prejuízos notáveis. Dificuldade para iniciar interações sociais e exemplos claros de respostas atípicas ou sem sucesso a aberturas sociais dos outros. Pode aparentar pouco interesse por interações sociais. Inflexibilidade de comportamento causa interferência significativa no funcionamento em um ou mais contextos. Dificuldade em trocar de atividade. Problemas para organização e planejamento são obstáculos à independência.

 

Referencia Bibliográfica:
AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico deTranstornos Mentais – DSM 5. Tradução de Maria Inês Correa Nascimento et al; revisão técnica Aristides Volpato Cordiolo. 5. ed. Porto Alegre: Artes Médicas,

TRATAMENTO DO AUTISMO

O tratamento consiste em um apoio multidisciplinar, que envolve psicólogos, psiquiatras, fonoaudiólogos, educadores físicos, nutricionistas, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. É necessária uma intervenção psicoeducacional, apoio e orientação familiar, auxilio no desenvolvimento da linguagem e comunicação, entre diversos outros serviços que podem ser oferecidos pelas instituições especializadas ou profissionais da área.

Existem métodos comportamentais como o ABA que foram desenvolvidos especialmente para a análise e modificação de comportamentos dessa crianças bem como para desenvolvimento de habilidades e redução de comportamentos indesejáveis.

Se você tem suspeitas de que pode ter uma criança com TEA entre em contato e agende uma avaliação. No IIPB oferecemos um serviço especializado em Diagnóstico de autismo em Bragança Paulista. Temos neuropsicólogos especializados em crianças e com ampla experiência em transtornos do espectro autista, contamos ainda com testes e instrumentos de avaliação para autistas como o SON-R 2 ½ – 7 desenvolvido nos Estados Unidos e trazido ao Brasil para auxiliar no diagnóstico de autismo e outros transtornos.

Esse texto tem caráter informativo, se você se identificou com qualquer sintoma procure um psicólogo.
IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança –
 Clínica de Psicologia em Bragança Paulista, Atibaia e região.

 

depressao 04 dez 2017

BY: admin

Depressão

Comments: 2 Comentários

7 coisas que você precisa saber sobre depressão.

7 coisas que você precisa saber sobre depressão.

O Instituto Integrado de Psicologia Bragança Paulista reuniu nesse texto 7 coisas importantes que você precisa saber sobre depressão. Veja os sintomas da depressão, diferenças entre depressão e tristeza e ainda, como tratar a depressão.

1- As estatísticas da depressão pelo mundo

Estima-se que 322 milhões de pessoas sofram de depressão, o Brasil é o país com maior prevalência de depressão na América Latina.

depressão

2- A Causa da depressão

Diversos estudos são feitos na área da neurociência porém ainda não existe nenhuma comprovação sobre a causa da depressão  e de que a depressão seja desencadeada por um desequilíbrio químico no cérebro, a falta ou o excesso de substâncias. Sabe-se que o que acontece é justamente o contrário, é a partir da depressão que ocorrem as alterações químicas no cérebro e também diversas alterações físicas e psíquicas.

 

3- O que é depressão

Na raiz psicológica da depressão, parece haver uma insatisfação pessoal e uma impossibilidade de desejar, uma falta de desejo que pode se estender por diversos aspectos da vida, seja a vida pessoal, profissional, amorosa e das escolhas que foram sendo feitas ao longo da vida do sujeito.

O depressivo sofre pelo não desejo, não se anima diante de nenhuma proposta, uma espécie de Anedonia, uma perda da capacidade de sentir prazer diante de todas as situações.

4- Diferença entre Depressão e Melancolia

A depressão muitas vezes é confundida com a Melancolia e de fato ambas possuem sintomas parecidos porém apenas um profissional qualificado é capaz de fazer essa diferenciação de um paciente depressivo e um paciente melancólico.
Na depressão a pessoa sofre pelo não desejar, é como se já tivesse tudo. A Melancolia é caracterizada por uma relação de dor com o mundo, é uma falta mais profunda do ser, mortífera. Os pacientes melancólicos são extremamente propensos ao suicídio.

5- Diferença entre Depressão e Tristeza

Talvez a maior dificuldade em nosso mundo moderno seja diferenciar a depressão da tristeza e de períodos de tristeza que passamos na vida. Existem situações como por exemplo a perda de um emprego, o término de um relacionamento, quando fracassamos de algum modo ou quando não estamos muito satisfeitos com o que possuímos, nessas situações sentimos uma tristeza que nos consome, temos uma baixa de energia, uma certa apatia com o mundo, mas que é algo temporário é algo que de certa forma nos move para a próxima decisão, a próxima ação diante da vida.


Elaboramos um luto para cada coisa que perdemos em nossa vida, seja um ente querido ou a perda de um trabalho, passamos por esse período um pouco doloroso, mas isso não significa depressão.
De acordo com o Manual de Diagnósticos de Transtornos Mentais quando essa tristeza permanece por mais de 2 semanas então poderia ser considerada depressão, mas é necessário olhar cuidadosamente para cada caso pois cada pessoa possui um tempo diferente para passar por situações de luto, perdas e tristeza.
Além disso muitas vezes apesar da tristeza conseguimos ter momentos de alegrias durante a semana, durante o dia, e até deixamos de lado essa tristeza, na depressão isso não ocorre, existe uma falta de prazer em tudo.

6- Sintomas da depressão

O Sintoma mais presente e marcante nas pessoas que estão em depressão é a anedonia, ou seja, uma falta de prazer nas atividades em geral, a redução de interesse por tudo a sua volta e o não desejar, a pessoa não deseja nada.

Existe também uma outra vertente da depressão que é uma espécie de Hipomania, a pessoa faz milhões de coisas ao mesmo tempo, ocupa o tempo todo, ocupa a mente, ocupa o corpo exageradamente, em uma tentativa de nunca parar para pensar na própria vida, o que também pode caracterizar uma depressão encoberta por um quadro de ansiedade.
Mais de 60% dos episódios depressivos são precedidos por quadros de ansiedade

Nos sintomas físicos temos geralmente a fadiga intensa, perda de energia, cansaço exagerado, insônia ou sonolência, perda ou falhas de memória, dores no corpo em especial dores crônicas.

7- Tratamento para depressão

O tratamento mais recomendado e utilizado é a psicoterapia com um psicólogo clínico que pode ser associada com medicamentos de acordo com a avaliação do psiquiatra frente a necessidade ou não de uma intervenção medicamentosa.
É preciso tomar cuidado, hoje falamos de anti depressivos como os medicamentos mais vendidos em todo mundo, mas que sozinhos pouco efeito possuem, é preciso entender que a depressão vem de dentro para fora e que o tratamento também precisa partir de dentro para fora, o medicamento pode ser um aliado nesse trabalho mas não o protagonista.

Se você está procurando Psicólogo em Bragança Paulista consulte o IIPB através do telefone 11 2277-4283 ou 11 97143-8628, temos profissionais especializados em psicologia clínica que irão te atender.

Esse texto tem caráter informativo, se você se identificou com qualquer sintoma procure um psicólogo.
IIPB – Instituto Integrado de Psicologia Bragança –
 Clínica de Psicologia em Bragança Paulista, Atibaia e região.

 

Whatsapp!